• Redação

Cantinho do catequista: "É aquele quem guarda com cautela e nutre a memória de Deus"

Afinal, quem é o catequista?


É aquele quem guarda com cautela e nutre a memória de Deus; ele guarda isso em si mesmo e sabe como despertar nos outros.


Às vésperas de um novo ano que bate em nossa porta depois de um ano tão atípico, é sempre bom reler as palavras do Papa Francisco (proferido em 2013 por ocasião da Jornada do Catequista) que poderia ser de reflexão e revisão para todos os catequistas - colunas do Ministério do Catequista. São muitos, incansáveis, que fazem o convite de Jesus: “Ide, pois, e fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os para guardar tudo o que vos ordenei ”. (Mt 28,19-20).


O nosso amado Papa Francisco diz:


“Quem é o catequista? Ele é quem guarda e nutre a memória de Deus; ele o guarda em si mesmo e sabe como despertá-lo nos outros.


Belo, recordar a Deus, como a Virgem Maria que, diante da ação maravilhosa de Deus em sua vida, não pensa em honra, prestígio, riqueza, não se fecha em si mesma. Ao contrário, depois de aceitar o anúncio do Anjo e de ter concebido o Filho de Deus, o que ela faz? Ela vai embora, vai até sua parente idosa, também grávida, para ajudá-la; e no encontro com ela, o seu primeiro ato é a memória da ação de Deus, da fidelidade de Deus na sua vida, na história do seu povo, na nossa história.


A fé contém precisamente a memória da história de Deus conosco, a memória do encontro com Deus que primeiro move, que cria e salva, que nos transforma; a fé é a memória da sua Palavra que aquece o coração, das suas ações de salvação com que nos dá a vida, nos purifica, nos cura, nos alimenta. O catequista é realmente um cristão que põe esta memória ao serviço do anúncio; não ser visto, não falar de si mesmo, mas falar de Deus, de seu amor, de sua fidelidade.


Falar e transmitir tudo o que Deus revelou, ou seja, a doutrina em sua totalidade, sem cortar nem somar. O catequista é então um cristão que carrega consigo a memória de Deus, se deixa guiar pela memória de Deus ao longo da vida e sabe despertá-la no coração dos outros. Isso é desafiador! Compromete-se a vida toda! O que é o mesmo Catecismo senão a memória de Deus, a memória da sua ação na história, de se ter feito perto de nós em Cristo, presente na sua Palavra, nos sacramentos, na sua Igreja, no seu amor? Queridos catequistas, pergunto-vos: somos a memória de Deus? Será que somos mesmo sentinelas que despertam nos outros a memória de Deus, que aquece o coração? ”.


Em suma, o catequista não tem um "trabalho", mas, sim, uma missão. Melhor: uma vocação. “Ser catequista é a vocação, não trabalhar como catequista”.


Um serviço a ser vivido com intensidade de fé e em dimensão comunitária, como o Papa Francisco já destacou. O catequista precisa ser artesão de comunidades abertas que saibam valorizar os talentos de cada uma, percorrendo com humildade os caminhos dos povos do nosso tempo, curvando-se sobre os marginalizados.


Como costumo dizer sempre aos catequistas da minha Paróquia: “O catequista e um encantador de Deus!” Então vamos continuar encantando as nossas crianças, adolescentes, jovens e adultos com a palavra de Deus e o nosso amor incondicional a Ele.


Um pouco do trabalho da Catequese na Paróquia Porciúncula de Sant’Ana, situada em Icaraí, Niterói.


Missa da catequese com o Frei Luiz Colossi














Manhã franciscana







ANNA MARIA DI MANGO

COORDENADORA DA INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ DE CRIANÇAS, JOVENS E ADULTOS DA PARÓQUIA PORCIÚNCULA DE SANT’ANA, ICARAÍ - NITERÓI

79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo