• Redação

Reflexão do Evangelho: Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa | Mt 5,1-12a

Solenidade de todos os Santos


Por Pe. Almerindo da Silveira Barbosa

Celebramos, neste domingo, a Solenidade de todos os Santos e Santas de Deus. Proclamamos a santidade de Deus e a manifestação da sua vida em nossa vida, através de seu Filho Jesus Cristo.


O Evangelho desta Solenidade é das bem aventuranças. Elas que estão no início do capítulo cinco (5) de São Mateus, são a porta de entrada do Sermão da Montanha (Mt 5-7). Elas são um programa de vida, para trazer felicidade plena a quem adere à boa nova de Jesus, onde Jesus sentado, ensina aos seus discípulos.


As bem aventuranças são orientações para seguir no caminho de santidade. A felicidade já não estar em somente meditar a lei de Javé dia e noite, mas felizes são as pessoas pobres, as que têm fome e sede de justiçam.


Essa promessa de felicidade não é para depois da morte. Jesus fala da felicidade nesta vida. Isso porque ser feliz deve ser a meta mais importante na vida de todos nós. Tão importante que desejamos, de maneira muito frequente.


Proferimos os votos de felicidade nos aniversários, no início de cada ano, na mudança de trabalho, no casamento, no nascimento de um filho e tantas outas realidades. A sociedade de consumo, que invadiu tudo, diz que a felicidade é uma meta imediata de nossas buscas exteriores. Mas esta felicidade é passageira, pois quando a alcançamos, invade, de novo, a insatisfação, a inquietude e, novamente, temos sede de busca.


As bem aventuranças nos ensinam que não encontraremos a felicidade no exterior. É algo que vem de dentro do ser da pessoa. A felicidade já não estar em somente meditar a lei de Javé dia e noite, mas felizes são as pessoas pobres, as que têm fome e sede de justiça. Essa promessa de felicidade não é para depois da morte. Jesus fala da felicidade nesta vida.


Diante dessa realidade da vida precisamos nos questionar: em que a proposta evangélica de felicidade nos diz hoje? Vivemos a felicidade a partir de dentro de nós ou ela vem a nós através das coisas externas de nossa vida?


Na experiência de fé de muitas pessoas, o seguimento a Jesus, muitas vezes, não se associa com a ideia de felicidade. Muitos buscam a felicidade nas coisas. O mais importante é o ter e não o ser. Predomina, em certos ambientes, ou até em alguns grupos cristãos, uma doutrina dolorida e uma catequese afastada da busca humana da felicidade.


Diante de tal situação, Jesus, no texto evangélico, afirma categoricamente: “Felizes sois vós!” que entendem a vida a partir desse caminho que Ele propõe. Que possamos, então, encontrar o sentindo para nossa vida, através de nossa vida interior, manifestada em ações concretas, no exterior de nossa existência.


Pe. Almerindo da Silveira Barbosa, formado em Filosofia e Teologia, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, o colunista também possui especialização em Ensino Religioso, pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM), e em Teologia Pastoral, realizada na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Pe. Almerindo é coautor da coleção “Deus Conosco” e do livro Quem é esse Jesus e autor da obra A missa – Conhecer para viver, também publicado pela Editora Vozes.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo