• Redação

Reflexão do Evangelho: Minhas ovelhas escutam minha voz! | Jo 10,27-30

4º Domingo da Páscoa


Por Pe. Almerindo da Silveira Barbosa


Jesus estava em Jerusalém, conforme o texto bíblico: “Celebrava-se a festa da dedicação em Jerusalém. Era inverno. Jesus andava pelo Templo, no Pórtico de Salomão. Os judeus o rodearam e disseram-lhe: até quando nos deixarás em suspenso se tu és o Cristo? Diz-nos abertamente. E Jesus respondeu-lhes: Eu já vos disse, mas vós não credes”.


A pior situação da vida é quando não cremos; quando não acreditamos em nada; quando o nosso coração é muito vazio. As obras que Jesus fazia davam testemunho dele, porém, eles não creram, porque não eram ovelhas do redio do Senhor.


O texto do Evangelho deste domingo é uma verdadeira catequese sobre a Missão de Jesus. Na Parábola, vemos duas atitudes. A Atitude do Pastor, que conhece, cuida e dá a vida pelas ovelhas. Temos, também, a atitude das ovelhas. Elas conhecem seu pastor numa intimidade profunda, que são capazes de ESCUTÁ-LO e SEGUI-LO.


A imagem do pastor e das ovelhas, são claras no texto bíblico. Quero, entretanto, deter-me em três verbos contidos no texto, para que possamos compreender melhor o que a Palavra de Deus quer dizer para nós hoje.


O primeiro verbo é ESCUTAR. As ovelhas escutam a voz e seu pastor. Para escutar a voz de alguém é preciso ter credibilidade da palavra. Estamos perdendo a força da palavra. No mundo atual já não somos pessoas de palavra.


A palavra de Jesus de credibilidade; é confiável. Aquele que crer Nele é uma pessoa que escuta suas palavras, porque são confiáveis. Este é o primeiro passo para que possamos crescer em nossa relação com Jesus. Quando escutamos sua Palavra, há algo profundamente precioso.


Santo Tomás de Aquino, quando fala da Eucaristia diz que “todos os nossos sentidos se perdem, todos os nossos sentidos podem se confundir diante da grandeza e ao mesmo tempo da Beleza de Jesus que se faz na Eucaristia, mas o único sentido que não se pode confundir é o do ouvir”. Isso porque a fé vem pelo ouvir: Isto é meu corpo. Isto é meu sangue. Sou eu mesmo. Por isso, para ter fé em Jesus é necessário escutá-lo.


O segundo verbo contido no texto é SEGUIR. Jesus diz que suas ovelhas lhe seguem. Se Jesus fala e suas ovelhas o escutam, então, é preciso, na docilidade, segui-lo. Quem segue Jesus precisa ter o mesmo estilo de vida dele. Por isso, seguir a Jesus é caminhar como Ele caminhou. Jesus é o Pastor que, ora ele se coloca à frente do rebanho, conduzindo-o; ora se coloca no meio do rebanho, para descansar; ora se coloca atrás do rebanho, para proteger.


Por fim, o terceiro verbo é CONHECER. Deus já nos conhecia muito antes, quando nós ainda éramos informes, quando ainda nem éramos pensados por nossos pais. Jesus nos conhece pelo nome, porque tem um amor pessoal e único por cada um de nós.


A partir deste Evangelho o Senhor nos questiona e nos faz pensar sobre nossa relação com Ele. Será que conhecemos Jesus verdadeiramente? Será que temos intimidade com Ele. O conhecimento não se faz à distância. Por isso é preciso ter intimidade com Jesus, para poder conhecê-Lo, saber escutar sua voz e discernir entre tantas outras vozes que chegam aos nossos ouvidos.


O texto traz, ainda, algo muito precioso e profundamente consolador, que deve trazer uma paz enorme para nós, diante de tantos desafios que a vida nos apresenta Jesus diz: “Ninguém vai arrancar as ovelhas de minhas mãos. Eu e o Pai somos um”. Que palavra consoladora que Jesus nos diz. Nós não podemos ser arrancados das mãos dele.


As mãos de Jesus são mãos abençoadas, que acariciou as crianças, que levantaram os paralíticos, que chamou Lázaro para fora do túmulo e que levantaram Pedro, quando ele estava afundando, diante do mar, pela falta de fé. Por isso as mãos de Jesus são mãos sustentadoras e, ao mesmo tempo, mãos que nos levam para o Pai.


Peçamos ao Bom Pastor que Ele nos ensina a cuidar daqueles que Deus colocou em nossas vidas, mas que a gente relembre dos três verbos: ESCUTAR – SEGUIR – CONHECER, para perceber aquilo que Jesus pode fazer em nossas vidas.


 

Pe. Almerindo da Silveira Barbosa, formado em Filosofia e Teologia, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, o colunista também possui especialização em Ensino Religioso, pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM), e em Teologia Pastoral, realizada na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Pe. Almerindo é coautor da coleção “Deus Conosco” e do livro Quem é esse Jesus e autor da obra A missa – Conhecer para viver, também publicado pela Editora Vozes.

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo