• Redação

Seis dicas para fomentar a criação de Grupos de Jesus

A proposta da obra Grupos de Jesus, usada nesse texto, é fomentar nas paróquias a criação de grupos homônimos, em que pequenos grupos cristãos se reúnam para ler, refletir e meditar o Evangelho, e extrair desses encontros a seiva espiritual para alimentar sua vida comunitária e sua fé.


No texto, José Antonio Pagola mostra como se podem organizar, quais são os passos, as etapas, os cuidados e as orientações necessárias para que funcionem bem e tragam crescimento na vivência comunitária.

“Nosso objetivo principal nos Grupos de Jesus é viver juntos um processo de conversão individual e grupal a Jesus, aprofundando-nos de maneira simples no essencial do Evangelho. Queremos fazer juntos uma caminhada para conhecer melhor a Jesus e consolidar nossa vida com mais verdade em sua pessoa, em sua mensagem e em seu projeto de fazer um mundo mais humano. Esses grupos nascem da convicção de que Jesus responde também hoje às perguntas, problemas e necessidades mais profundos das pessoas.”, explica o autor na apresentação.


Objetivo e características:


Voltar juntos para Jesus Cristo


Nosso objetivo principal nos Grupos de Jesus é viver juntos um processo de conversão individual e grupal a Jesus, aprofundando-nos de maneira simples no essencial do Evangelho. Queremos fazer juntos uma caminhada para conhecer melhor a Jesus e consolidar nossa vida com mais verdade em sua pessoa, em sua mensagem e em seu projeto de fazer um mundo mais humano. Estes grupos nascem da convicção de que Jesus responde também hoje às perguntas, problemas e necessidades mais profundas das pessoas.


Reunidos em nome de Jesus


A primeira experiência que vivemos nestes grupos alimenta-se desta promessa de Jesus: “Onde dois ou três se reúnem em meu nome, ali estou eu no meio deles”. Por isso os grupos se reúnem em nome de Jesus. Ele os convoca e alenta. Ele ocupa o centro. Estes grupos são de Jesus. Não têm outro nome nem protetor. Não se enquadram na espiritualidade particular de nenhum movimento ou associação religiosa. São espaços de liberdade, abertos aos que querem viver a experiência de voltar a Jesus “recuperando o frescor original do Evangelho”, ouvido a partir das inquietudes, problemas, sofrimentos e esperanças das mulheres e homens de hoje.


Num clima de amizade fraterna


Fazer juntos esta caminhada buscando Jesus é uma experiência renovadora vivida num clima de amizade fraterna. Alguns de nós já nos conhecíamos, outros não. Aqui nos sentimos todos atraídos por Jesus. Ninguém está acima de ninguém. Ninguém é superior aos outros. No grupo convivemos homens e mulheres, crentes convictos e pessoas em busca, leigos e presbíteros... Pouco a pouco, o Evangelho vai despertando em nós a comunicação e o diálogo, a confiança mútua e a alegria.


Espaço de conversão a Jesus Cristo


Estes grupos de Jesus não pretendem substituir outros grupos pastorais, processos catequéticos, catecumenatos ou realidades semelhantes, que têm seus próprios objetivos e métodos. Nós que participamos destes grupos movemo-nos em outro plano: reunimo-nos para viver um processo de conversão a Jesus que tem uma duração de quatro a cinco anos. Durante este tempo, se somos cristãos comprometidos em algum campo, continuamos trabalhando onde já estamos. Nos Grupos de Jesus encontramos o clima apropriado para deixar-nos transformar pelo Evangelho e para recuperar ou reavivar nossa identidade de discípulos e seguidores de Jesus.


A serviço do projeto humanizador do Pai


Ao longo de nossa caminhada nestes Grupos de Jesus iremos descobrindo que não é possível seguir Jesus sem identificar-nos com o projeto do reino de Deus, que foi a paixão que animou sua vida inteira: criar um mundo mais justo, mais digno e mais feliz para todos, a começar pelos últimos. Por isso nestes grupos nos sentimos chamados a “buscar o reino de Deus e sua justiça”. Esta paixão por um mundo mais humano, como Deus o quer, vai marcando pouco a pouco nosso estilo de viver tanto na sociedade como no interior da Igreja.


Construindo a Igreja de Cristo


Estes grupos não nascem para viver fechados em si mesmos, pensando apenas em seus problemas ou falando apenas de suas coisas. Desde o início situam-se no horizonte do reino de Deus e no seio da Igreja. Mais concretamente, os Grupos de Jesus vivem e crescem com a vontade de contribuir para estimular no interior da Igreja uma conversão radical a Jesus Cristo. Por isso nos esforçamos por contribuir com nossa própria conversão para construir uma Igreja mais fiel a Cristo: uma Igreja mais simples, fraterna e acolhedora; uma Igreja samaritana, compassiva, “amiga de pecadores”; uma Igreja onde a mulher ocupe o lugar desejado por Jesus; uma Igreja que nos leve a Jesus e nos ensine a confiar no Pai. Uma Igreja de coração grande na qual cada manhã nos ponhamos a trabalhar pelo reino, sabendo que Deus fez sair seu sol sobre bons e maus.

Trecho da obra: Grupos de Jesus


*No período de pandemia, indicamos que os grupos presenciais sejam evitados. A dica são encontros virtuais através de plataformas como o Zoom, Google Meet ou Skype, por exemplo.




16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo