• Redação

Semana de São Francisco de Assis: um Evangelho Cósmico, uma Ecologia Integral

Que São Francisco se tornou pobre, que ele viveu uma vida simples todos sabem. Mas como se pode entender o fato de que ele é patrono da ecologia, ou mesmo sua ligação com a natureza e cuidado dos animais, ao ponto de compor um Cântico onde se louva a Deus por toda a criação? Como compreender o fato de, 800 anos depois de sua morte, um papa escolha o nome e o legado de São Francisco como traço característico de seu pontificado, um pontificado marcado pela preocupação com o ser humano e toda a criação?

A dificuldade em entender esta relação está no fato de que, ao invés de ir à raiz da vida cristã de Francisco, geralmente se permanece na superficialidade romântica das histórias.


A comunhão que se nota entre o Pobre de Assis e toda a criação é o resultado de um processo de seguimento de Cristo, o servo obediente do Evangelho. Algo maduro e não inicial ou pueril. O tornar-se cristão que se inicia pelo batismo, não leva o ser humano apenas à rezar e cumprir o mandamentos, mas o encaminha a participação na vida de um Cristo cósmico e total, o Novo Adão, que reassume o lugar de Jardineiro, abandonado pelo primeiro Adão, afastado de Deus pelo pecado.


Os relatos sobre Francisco, o representam cantando o Cântico do Irmão Sol, louvando – ainda que cego pela doença – a obra do Criador. As pinturas que o retratam entre os pássaros, dialogando com o lobo, servindo vinho aos ladrões apontam para a profecia Isaias, segundo a qual, nos dias da vinda do Senhor, o lobo e o cordeiro pastarão juntos, a criança colocará a mão na toca da serpente e esta não lhe fará mal, ou seja, uma imagem da harmonia e da reconciliação.


Desde o testemunho de São Francisco, o Papa nos convoca – por meio da Laudato Si’, que comemora 5 anos de promulgação – a levar a cabo este anúncio do Evangelho, que tem seu ápice no respeito e uso consciente de toda a criação. Ele nos impele a uma ecologia integral, onde a natureza e a vida humana não sejam entendidas como separadas, mas numa unidade indissolúvel. Alimento, moradia, cultura, lazer, cuidado com a natureza, segurança, bem como respeito entre as pessoas e suas diferenças, são todas faces da mesma Páscoa, onde Cristo quer renovar o mundo e dar vida e gerar vida em abundância. Todas elas falam da oikos, da casa – do homem e de Deus – que mais do que nunca precisa de reconciliação e de cuidado.


Deste modo – a nós que somos catequistas – vale lembrar que promover na iniciação cristã este testemunho de cuidado da Casa Comum não é um adereço opcional, mas é o cume direcional de nossa missão.

Trecho adaptado do texto: Francisco de Assis: um Evangelho Cósmico, uma Ecologia Integral, publicado originalmente no site www.vozes.com.br. Clique no link para ler na íntegra.


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Contato

Loja Virtual

Site Institucional

Desenvolvido por - Editora Vozes