top of page
  • Redação

Não vos deixareis órfãos! | Jo 14,15-21

6 º Domingo de Páscoa | Jo 14,15-21


Vamos nos aproximando da festa de Pentecostes e é natural que Jesus fala com seus discípulos em tom de despedida – “se me amais, guardareis os meus mandamentos”. Jesus, porém, ao anunciar a sua ida para o Pai, não está dizendo que abandonará os seus discípulos. Ele diz: “não vos deixarei órfãos”. Pelo contrário, o Senhor garante aos seus amigos sua presença, ainda mais forte, através do Espírito Santo.


Que consolo nós temos, ao receber do próprio Jesus essa verdade, de que, aquele que ama a Deus e guarda os seus mandamentos não ficará órfão. Ao partir para o Pai Jesus diz que Seu Espírito manifesta em nós, para ser nossa força, nosso ânimo e nosso sustento. Que possamos deixar ser trabalhados, guiados e conduzidos pelo Espírito da Verdade, que tudo renova e tudo transforma.


Vejamos mais sobre o diálogo de Jesus com a comunidade dos discípulos. Diante do medo e da insegurança, pela partida de Jesus, ele diz: “Não vos deixarei órfãos” (Jo 14,18) e o Espírito da Verdade permanecerá nos discípulos. Para isso eles precisam amar Jesus.


Amar a Jesus é fazer parte do amor de Pai, é viver na condição de filho de Deus, revelando, em sua vida, com atitudes e ações concretas, a ternura de Deus. Amar Jesus é se deixar ser guiado pela sua presença, na força do Espírito renovador, mesmo sabendo que essa presença não é física.


Pelo Espírito Santo, Jesus vai embora, mas não deixa os seus sozinhos e abandonados. Ele faz uma promessa, de pedir ao Pai para enviar outro advogado, consolador e defensor dos que lhe ama. Ele, ao prometer não deixar os discípulos órfãos, não tem interesse em enganá-los. Ele promete e cumpre. A promessa será concretizada em Pentecostes. O Espirito Santo vem para ser protagonista na vida dos discípulos. Ele é que realizará o projeto do Pai, iniciado por Jesus e, agora em cada um de seus amigos, afim de que possam trilhar o mesmo caminho que Ele trilhou.


Hoje somos convidados a tomar consciência de que o Espírito que Jesus concedeu aos primeiros discípulos é o mesmo que continua nos animando, para continuarmos sua missão de ir pelo mundo todo anunciar e pregar a boa notícia do Reino.


Assim como Jesus soprou sobre os discípulos de outrora e disse “recebei o Espírito Santo”, também nos dar o seu sopro, para sermos fortalecidos e revigorados, tornando-nos uma comunidade viva, de verdadeiros discípulos missionários.


Que posamos rezar sempre, como nos inspira o Salmo 104, pedindo a graça do Espirito Santo renovar nossa vida e toda a nossa estrutura, naquilo que inteiramente somos, corpo, mente e espirito. Assim, seremos terra adubada, para o Senhor espalhar sua semente de vida, no coração do mundo. “Envia teu Espírito, Senhor, e renova a face da terra”.

 

Sobre o autor:

Pe. Almerindo da Silveira Barbosa, formado em Filosofia e Teologia, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, o colunista também possui especialização em Ensino Religioso, pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM), e em Teologia Pastoral, realizada na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Pe. Almerindo é coautor da coleção “Deus Conosco” e do livro Quem é esse Jesus e autor da obra A missa – Conhecer para viver, também publicado pela Editora Vozes.

48 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page