top of page
  • Redação

Reflexão do Evangelho: Somos servos inúteis! | Lc 17,5-10

Por Pe. Almerindo da Silveira Barbosa


27º Domingo do Tempo Comum | Lc 17,5-10


Vivemos o 27º domingo do tempo comum. Caminhamos com Jesus rumo à Jerusalém. Nesse caminho muitos são os obstáculos da própria vida, como também das exigências de Jesus para o seguimento. O Evangelho de hoje, se não souber vivê-lo como deve, pode ser considerado um desses obstáculos para o seguimento sincero, despojado e autêntico.


Podemos dividir o Evangelho em dois momentos. O primeiro trata da fé inabalável do discípulo. Um deles, diante de sua insegurança na fé, pede ao Senhor: "aumenta-nos a fé!". Jesus responde que não se trata de quantidade, mas de qualidade.


A fé deve ser uma das maiores características do discípulo. Ela precisa ser genuína, como a semente, que traz em si todas as potencialidades da árvore. “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira, arranca-te daqui e planta-te no mar e ela vos obedeceria”.


O que Jesus deseja aos discípulos é que eles compreendam que, mesmo querendo segui-lo, são fracos. Diante das realidades da vida, acaba caindo, desanimando e, às vezes, até desistindo, demonstrando que a fé é fraca. Com isso o mestre quer ensinar que a fé inabalável é um dom de Deus. Pedi-lo, como dom que ele nos oferece na gratuidade, é o único recurso. Por isso que sempre que estamos diante de Jesus devemos rezar, “Senhor, eu creio, mas aumente a minha fé”.


O segundo momento do Evangelho fala de como deve ser a atitude correta de quem tem um ofício dentro da comunidade cristã. Ser chamado para assumir qualquer função na comunidade de fé não é mérito da pessoa. É chamado de Deus para assumir tal função com consciência de que se deve seguir o exemplo de Jesus. Ele não veio para ser servido, mas servir.


Com isso Jesus não quer dizer que seus discípulos não valem nada, nem o trabalho que desenvolve não tenha valor. Jesus quer chamar a atenção pelo fato de que, ter desenvolvido bem a missão não está credenciado a ter o direito de receber a graça de Deus, por causa de seus méritos. A graça será sempre um dom que Deus, gratuitamente, oferece, sem merecimento nenhum.


Somos chamados a viver a nossa fé inabalável, mesmo diante de nossas fragilidades, confiando que o Senhor é que nos oferece, como dom gratuito. Mesmo diante das dificuldades, das caídas e dos desânimos, tenhamos a coragem de pedir: “Senhor, aumenta a nossa fé”!


Que o Jesus nos ajude e nos fortaleça sempre mais na fé, para que consigamos assumir nossa missão e vocação no seio da Igreja, com a convicção de que fomos chamados ao trabalho missionário, sem nenhum mérito de nossa parte. “Somos servos inúteis, fizemos o que deveríamos fazer”.

 

Pe. Almerindo da Silveira Barbosa, formado em Filosofia e Teologia, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais, o colunista também possui especialização em Ensino Religioso, pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM), e em Teologia Pastoral, realizada na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte. Pe. Almerindo é coautor da coleção “Deus Conosco” e do livro Quem é esse Jesus e autor da obra A missa – Conhecer para viver, também publicado pela Editora Vozes.

335 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page